×

Geossítio do Riacho do Meio

Geossítio do Riacho do Meio

“Neste Geossítio estão preservados alguns exemplares da flora e fauna nativas do Araripe, que determina uma alta relevância ambiental-ecológica.”

Pedras com nomes, fontes de águas cristalinas, vegetação verde e temperatura fresca. Nessa época de seca no sertão, encontrar um lugar assim é considerado um oásis. O Geossítio Riacho do Meio, em Barbalha, reúne essas características como uma bela amostra da fertilidade e variedade naturais presente na Chapada do Araripe.

Seus principais pontos de interriacho-2esse são interligados por diversas trilhas que se unem. Como a Bica das Pedras, Olho D’Água Branca e Nascente do meio. Embora sejam pequenas, suas águas são direcionadas para pequenas quedas (ou bicas), onde formam piscinas cristalinas.

A Chapada tem aproximadamente 280 espécies de aves, no entanto foi com a descoberta do Soldadinho-do-araripe que a região tornou-se rota para observadores de aves. Esta atividade vem sendo promovida pela AQUASIS (Associação de Pesquisa e Preservação de Ecossistemas Aquáticos) e apoiada pelo Geopark Araripe, com o objetivo de formar grupos livres e guias locais para atender a esta demanda

soldadinhoDurante o percurso da trilha é possível observar o que consideram o ícone da Chapada: o Soldadinho do Araripe que é uma ave endêmica (só existe nesta região), de pequeno porte (15 cm) e frágil. Para observá-la precisa contar com a sorte e manter olhares atentos.

Fazer trilhas torna-se obrigatório para quem deseja conhecer o parque. Com extensão calculada pelo Geopark de 880 metros, elas levam às fontes e às pedras que tem nomes estranhos: Pedra da Coruja e Pedra do Morcego. Ambas tem histórias que trazem no mínimo curiosidade. A pedra do Morcego por exemplo, foi abrigo do bando de cangaceiros “Os Marcelinos”, que atuou na região na década de 1920. Alguns acreditam que o mesmo lugar tinha servido como parada a Lampião e seu grupo de Cangaceiros, na visita que fez ao Cariri por ocasião da suposta ameaça pela Coluna Prestes, em 1926.

Tanta história, curiosidade e beleza assim, fica até difícil não ter ao menos vontade de conhecer.

Deixe uma resposta

Seu email não será divulgado. Campos obrigatórios estão marcados com *

*