×

Monumento Padre Cicero

Monumento Padre Cicero

Conhece a história da construção do Monumento Padre Cícero?

No início de 1967, o recém-eleito prefeito de Juazeiro do Norte, Dr. Mauro Sampaio, estava dando uma aula como administrador, um dia no inicio de sua gestão, certa vez recebendo uma carona ate a prefeitura, foi lhe dito que um beato havia dado uma sugestão para construção de uma herma, lá no Horto. Seria uma forma de homenagear o Padre Cícero, e ai começa toda historia do monumento de Padre Cicero.

Então ele foi questionado sobre o que achava disso?

E sua resposta foi:

_Que herma que nada meu ‘Padin Ciço merece muito mais do que isso.Vamos e construir um monumento,você tem todas as condições para realizar uma obra capaz de ser um ponto de referência da gratidão do povo de Juazeiro ao seu grande benfeitor; mais do que um projeto turístico de grande envergadura, capaz de eternizar, na memória regional, a gratidão dos juazeirenses e de todos os romeiros.

E foi lhe dito que era caro demais.

_Que nada, quanto a isso, o Gumercindo Ferreira tira de letra. Na base da administração direta.

e Quem faria esse projeto?

Ele se deslocou ate fortaleza para encontrar quem o fisese, e não encontrou ninguém,  nesse meio tempo aconteceu um fato interessante. A Faculdade de Filosofia do Crato estava organizando uma Exposição de Artes Plásticas e foram convidados, pelo seu Diretor, professor José Newton Alves, para integrar a Comissão Julgadora, juntamente com as professoras Maria dos Remédios e Sílmia Sobreira. Ao final da abertura da exposição, tiveram a oportunidade de adquirir uma das obras premiadas: O primeiro lugar, um quadro de Abrão Batista, retratando o Cristo. Quando estávamos na fila, para adquirir uma outra peça premiada, uma estátua da Mulher Rendeira, saindo da própria almofada, muito original, uma apressada senhora furou a fila e adquiriu a obra. Chegou diante do escultor laureado, sorrindo, e disse.

_É duro ser cavalheiro! Perdi a chance de adquirir a sua mulher rendeira e, quando já ia me retirar, caiu a ficha, e perguntou em seguida.

– Você seria capaz de construir uma estátua, um monumento?

– É minha praia, disse ele. Meteu a mão no bolso interno do seu paletó e retirou um maço de fotos: Monumento do Jegue de Patos; Monumento do Vaqueiro etc.

– Você acaba de ser “intimado” para construir o monumento do Padre Cícero, lá em Juazeiro!

E o talentoso artista plástico, o pernambucano, Armando Lacerda, representante comercial da Cinzano, construtor de monumentos, por esse Nordeste, rindo, aceitou a incumbência. Chico Bento, empresário de transportes e amigo do Armando, prontificou-se em levá-lo a Juazeiro, na segunda-feira. Quando Armando Lacerda chegou à prefeitura, já vinha com uma proposta definida em mente. O monumento teria 7 metros de altura, fora a base… Um assombro! Acertou os detalhes da matéria-prima, um barro preto lá de Barbalha, para construção do protótipo. Numa noite de quinta-feira, fomram à casa do Armando, para ver o protótipo. A primeira dama, Dayse Sampaio, doutor Mauro e ele. Uma surpresa! Armando havia optado para erguer uma estátua de 12 metros e não 7. O modelo do protótipo media 1,20m. Esse modelo foi presenteado ao Doutor Mauro. O passo seguinte era arranjar um local adequado para iniciar a montagem do modelo da estátua. Um amplo galpão. O velho armazém da antiga usina de algodão da P. Machado, na Rua São Paulo, esquina com a São Francisco. Foi o escolhido e aprovado. Durante a construção da modelagem da estátua, Armando Lacerda tomou uma decisão surpreendente. O modelo foi redimensionado para ter 17 metros, fora base, e não mais os 12 metros, imaginados anterior-mente. O engenheiro Rômulo Ayres Montenegro ficou encarregado de realizar os cálculos de engenharia da base e da estátua. O resultado foi além do esperado e o doutor Mauro inaugurou o monumento, no início de novembro de 1969.

E essa e a história de como surgiu o monumento de padre Cicero, monumento esse que traz milhares, de fiéis e romeiros para a bela Juazeiro do norte.

 

 

 

Autor